Novidade

Este blogue mudou-se. Está agora no facebook. Um dia voltará a viver no blogger, numa casa nova e moderna. Até lá, boas novelas!
Para TODOS os fãs de telenovelas Brasileiras e Portuguesas espalhados pelo mundo.
Portuguese blog about Brasilian/Portuguese tv soaps for fans all over the world.

email desactivado por google devido a spam
alternativa: novelas para recordar npr arroba gmail.com

sábado, 11 de outubro de 2008

Portuguesa na sic

Estou a fazer por ver a novela portuguesa na sic. Afinal, se senti que tinha o que era preciso para dar certo, tinha de confirmar se a intuição está correcta. Ainda vai no início para conclusões definitivas mas, estas são as impressões que me ficam. Já me surpreendeu em inúmeras coisas. Enumero-as ao acaso. Em termos de interpretação, começo por Rui Unas. Péssimo actor, tem feito coisas tão horríveis que, com base nelas, deduzi que nunca conseguiria chegar lá. Surpreendeu-me. Como é possível? Tão canastrão que ele era, olha-o agora… Aulinhas? Onde as andaste a ter?


Diogo Morgado, o que dizer? O gajo é bom! Ele é possante. A sua co-intérprete não está tão convincente. Neste aspecto, as «meninas» estão fraquinhas. São elas a grávida disputada por três homens (vá-se lá saber que encanto tem para não haver homem na localidade que não lute por ela!), a jovem rebelde proveniente de uma família rica mas desestruturada e as advogadas. Alguns dos «meninos» também não vão bem. Como o advogado criminalista, que está ali entre o bom e o ruim. Mas retiro o Gonçalo Diniz da equação. O pobre ficou a perder bastante com a «promo» lançado pela sic. Incluíram imagens da sua personagem em momentos clichés de comédia com uma pitada homossexual que, descontextualizados, ridicularizaram a interpretação. Até agora está bem conseguida, com requintes de malvadez. Outros precisam, tal como as «meninas» de tempo, tarimba, experiência. Todos merecem mais oportunidades para poderem chegar mais longe. Olhem, perguntem ao Unas onde ele andou a aprender a deixar de ser o mega-canastrão que sempre foi. Pode dar geitinho….


Depois temos outras características, que já entram na parte da história, que fazem certas personagens sobressair. Não posso neste aspecto deixar de fora Paulo Azevedo, o rapaz sem mãos. A sua personagem está inserida perfeitamente na história, não é explorada pela condição mas ao mesmo tempo, não deixa de ser uma mensagem que está a ser transmitida. Ali está, uma pessoa normal, que faz o que os outros fazem, com a diferença de não ter mãos e ter de adaptar-se a isso. A primeira cena em me lembro de vê-lo aparecer é quando vem a conduzir uma «moto quatro». Depois, banalmente, vai a um café e juntamente com a sua mãe, maníaca por pastéis-de-nata (não há nada mais português também, em termos de confeitaria!) e põe-se a comer um. E assim, acaba o mistério para quem não imagina como uma pessoa sem mãos consegue levar um bolo à boca para o trincar.

Ainda temos a parte Castelhana. Que estou a adorar ver. É para onde se inclina o meu maior elogio: para a história. Tão portuguesa! Com forcados, pastéis-de-nata, Alentejo, Castelhanos, África, retornados e claro, imagens paisagísticas de referência geográfica portuguesa: a urbana Lisboa, com o Saldanha em destaque, e as pontes sobre o Tejo. Só falta mesmo um pouco de fado e então teremos tudo. Tudo da identidade de um povo pelo passado e pelo presente.

Ponho-me a imaginar a novela a ser exportada. Há que apostar nisto. No Brasil faz-se à «séculos», e dá resultado. É preciso colocar imagens de marca do país para habituar os que vêm a novela lá fora. Depois de acostumados saberão reconhecê-las e talvez gostem de se informar sobre este canto do mundo. É assim que se começa. Foi assim que o Brasil «exportou» o Concorvado, as praias idílicas que afinal estão poluídas e conseguiu colocar o Cristo redentor na lista das 10 maiores maravilhas do Mundo. Pelas novelas! E porque é um país enorme, com uma população votante gigante…

Portugal tem muito. Até gostaria que poucos soubessem o quanto tem para dar mas, isso não é possível nos dias que correm. O padrão dos descobrimentos, os monumentos, o belo Tejo, as maravilhosas, deliciosas, adoráveis praias de cima a baixo por esta costa, a água cristalina, as cachoeiras escondidas por aí que nem 1/3 da população portuguesa conhece, as maravilhosas ilhas dos Açores e da Madeira, alguma imagem rural, um Alentejo plano, com sobreiros, cortiça e um casebre ao sol. O sol e a praia do Algarve. Os montes verdes do Norte. O tomate, a azeitona e as laranjas do Algarve. Há muito (tanto) deste Portugal para mostrar, que as possibilidades de exploração em TV se apresentam ilimitadas.

Se esquecida estava da dita “pendenga” entre portugueses e espanhóis, da rivalidade de há séculos atrás, do tempo dos Mouros e de Viriato, dos reis e das rainhas, (ups! Por lá ainda é assim…) um pouco deste nosso passado regressa ao colocarem na historia este aspecto da actualidade: as propriedades no Alentejo adquiridas por espanhóis. Facto.
.
Na trama temos «Mercedes», a castelhana que se introduz na família tradicional alentejana por casamento, para conseguir se apossar das terras. Fez-me sentir orgulho (desculpem, é verdade) estar a ver esta parte da novela e, subitamente, aperceber-me desta característica do povo português: a capacidade de entender os outros na sua língua. Lá estavam as personagens, a dialogar em espanhol, e não precisamos de legendas. Nem legendas para o espanhol, nem para o português do Brasil, nem para o português com sotaque africano. Nada. Lá vamos entendendo tudo. Mas imagino que, a passar no Brasil, precisariam traduzir a novela inteira. Pela falta de costume em ouvir outras línguas e sotaques.

Agrada-me que falem dos forcados. De certa forma, vem a enaltecer o sangue português. Deve ser uma tradição do conhecimento de poucos. Quem sabe que em Portugal, apanham-se touros pelos cornos? Há que dizê-lo: há, valente!

Touradas em si, com aquela coisa de espetar o animal, não é bem algo que me cative. Se bem que me lembro de ter apreciado uma, uma vez, pela televisão, há muitos anos atrás. Os movimentos de mestria do cavaleiro e da montada mais a personalidade admirável do touro, levou para aquele espectáculo algo belo. Beleza como se encontra num bom ballet, num bom filme, num bom livro. É uma tradição, tem o quê de respeito, embora não pare para ver. Também lembro de achar aquilo triste, com o animal ensaguentado, a ser ferido, meio manso, com ar de quem quer ser deixado em paz, a ser forçado àquilo, e achar que os homens são inseguros ao ponto de precisarem disto para se sentirem de valor.
.
.
Já a parte que inclui os forcados, sempre foi mais apreciada pela maioria. É puro «mano-a-mano». Nunca ninguém sabe o que pode acontecer. Ali está: Homem e touro. Homem e Besta. Frente a frente, olhos nos olhos. E cornos pontiagudos enfiados numa força bruta e de peso, a vir em velocidade de galope na nossa direcção. Até para imaginar é preciso ter chegado perto de um animal deste porte, para compreender que sensação poderá ser esta…

Em termos de direcção, a novela também vai bem. Tem falhas. Se calhar, muitas delas devidas a pressa, a prazos, que sei eu? O que mais me custa são as coisas do costume… aquelas, que não me descem pela goela. Quando se discute (assimilem isso de uma vez por todas), as pessoas mexem-se! Movimentam o pescoço, saiem do enquadramento, para ser mais específica. Ver pessoas a discutir sem a cabeça mexer já é mau, mas vê-las discutir sem sair do lugar, sem o corpo assumir uma determinada postura ou movimento, é mau também. Em diálogos longos então, é terrível. Uma mãe que vê a filha a apontar uma caçadeira a outro filho a meio de um jantar, não permanece sentada na cadeira o tempo todo. Mesmo depois da filha sair do local, ela não desabafa «Ai, meu deus», ainda sentada na cadeira diante da mesa. Não é geneticamente possível.

Se você teve paciência para ler este texto até ao fim, não fique por isso. Deixe o quê da sua opinião. Tem uma, não?



Cumprimentos!

8 FEED-BACK -DEIXE OPINIÃO:

Juscelino Paraná 12 de outubro de 2008 às 21:42  

Uma pergunta: até brasileiros podem participar do manifesto contra o acordo ortográfico? Obrigado!

novelista 12 de outubro de 2008 às 22:15  

Caro Juscelino:

Na questão da petição para a qual mantenho o link no blog, é pedida a introdução do nº de Bilhete de Identidade Português, sem o qual a assinatura não é validada. Se não tiver um, não consegue assinar.

Isto significa que a petição quando foi escrita dirigia-se à sondagem da opinião do povo português, com o objectivo da opinião do povo chegar ao conhecimento do Presidente da República Portuguesa. Também confere à iniciativa rigor e seriedade.

É claro que qualquer pessoa com conhecimento da língua pode formar uma opinião e com ela ser a favor ou contra o acordo ortográfico. E fazer ouvir a sua voz. Aqui está um motivo para se fazer um censo.

Pode esclarecer dúvidas ou pedir esclarecimentos (quiça para dar início a uma petição no Brasil) através do endereço que eles disponbilizam no final da página: manifesto.lingua.portuguesa@gmail.com

Afinal, a nossa língua é um assunto sério.

Cumprimentos.

Anónimo 16 de outubro de 2008 às 13:14  

Não gostei da novela. Os actores parecem que não estão á vontade no cenário.

Laura Caçoeiro

novelista 16 de outubro de 2008 às 20:12  

Estou em desvantagem em relacção às novelas portuguesas. Não vi nenhuma desde Olhos d´Água. Pelo que não sei o que foi feito entretanto e o que o autor já deu ao público.

Também não gosto dela em muita coisa, mas reconheço-lhe conteúdo. A história TEM história. As interpretações, é o que se sabe... o casal romântico não tem qualquer empatia. Mais um sem química.

O Diogo está bem, mas não perfeito. A Joana não convence como advogada, nem nenhuma das outras moças, que me parecem todas iguais. Gosto de ver o actor que não tem pernas e braços. Ás vezes está melhor em cena que os outros mas também longe da perfeição.

A novela tem história e até tem melodia. E a história é o que importa no caso das portuguesas. Porque relevamos outros pormenores.

Já com as brasileiras, «papamos» tudo, do pior que há, porque eles até fazem aquilo bem e tal...

Cumprimentos

Anónimo 16 de outubro de 2008 às 20:36  

Não consigo ver. Gosto da série portuguesa "Conta-me como foi", os actores portugueses são optimos e fazemos também bom teatro. Mas no que toca a novelas não há nada como as brasileiras. Que pena a Globo ser escrava da SIC em Portugal.

novelista 16 de outubro de 2008 às 21:26  

O "Conta-me" conquistou-me logo à primeira. É feito pela mesma gente que faz "Podia acabar o mundo".

É a melhor produção portuguesa nos últimos anos. E mexe tanto conosco, as nossas origens e identidade... cá está: tem história.

E depois reconhecemos nas personagens e pelo cenário, coisas que fizeram parte do nosso quotidiano. As paredes, os rodapés, os interruptores de luz, o rádio, os copos de vidro, etc e por aí adiante.

Ainda está a decorrer uma petição: http://www.petitiononline.com/seriertp/petition.html para se ver a série em dvd.

Irene 19 de outubro de 2008 às 23:11  

A vida tem destas coisas. Não é que a novela da SIC Podia Acabar o Mundo têm audiências vergonhosamente baixas? Ainda por cima tendo em conta o tratamento VIP que teve desde o início, com chamadas de atenção e horários certinhos. Gostaria de saber se a SIC vai ser coerente e mandar a sua novela para o lixo, faltando ao respeito a todos os que a fizeram e aos (poucos) que a veêm, como fizeram com a novela Ciranda de Pedra (esta, curiosamente, de grande qualidade). Ou então podem arranjar um novo horário mais adequado à fraca audiência. Que tal por volta das 4 da manhã, para obrigar os fans a levantar-se de madrugada ou a programar os gravadores?

Anónimo 7 de dezembro de 2008 às 00:57  

Concordo com o dono do Blog quanto à falta de movimentação em cenas onde é necessário fazê-lo.
Para um comentador: qual é o problema das novelas da Globo serem transmitidas pela SIC?
São de facto excelentes e devem ser vistas e apreciadas independentemente de quem as transmite.
Na novela "Podia acabar o mundo" existe alguma qualidade e alguns bons actores como é o caso do Diogo Morgado.
Tudo numa novela é importante (história, representação, realização, cenários, etc.) para que possa ser considerada um produto de qualidade.
Parabéns pelo Blog.

face

    © Blogger template by Emporium Digital 2008

Back to TOP